Blog da família Coutinho, com origem em Sedielos - Peso da Régua, e hoje espalhada pelo mundo. Este será um meio de comunicação entre nós e os amigos. Publicaremos também alguns artigos de interesse geral, nomeadamente sobre o nosso querido Douro.
Segunda-feira, 9 de Janeiro de 2006
SEDIELOS

  00015tkc 

A freguesia de Sedielos é de segunda ordem e, apesar de lhe terem sido desanexadas algumas povoações para formar a vizinha e nova freguesia de Vinhós (em 1933), é ainda a maior e uma das mais importantes.

Conta 700 fogos, numa população de 2750 habitantes, espalhados pelos seguintes lugares: Sermanha, Corujeira, Pontão, Outeiro, Castanheira, Sobre-a-Fonte, Ameal, Sá, Devesa, Arrabalde, Igreja, Pedregal, Sete Fontes, Aldarete, Bouças, Quintã,  Carvalho, Cale, Passos, Ponte da Fraga e Ferraria. Possui, também belas e grandiosas quintas, entre elas a de Sá de Baixo, Finges, Paço da Serviçaria, etc. Confina ao norte com a freguesia de Vinhós, ao sul com a freguesia de Vila Marim e Cidadelhe, do concelho de Mesão Frio, a nascente com Moura Morta e a poente com a freguesia de Teixeiró, do concelho de Baião (Distrito do Porto).

Dista da sede do concelho, pela estrada da Rede, dezanove quilómetros, por Fontelas, quinze quilómetros, e por atalhos, doze quilómetros. A estação de caminho de ferro mais próxima é a da Rede, da qual dista catorze quilómetros. Do lado nascente, a freguesia debruça-se para o rio Sermanha, e a meio da encosta encontram-se vestígios de uma alcáçova.

«Quem subir pelo lugar de Passos», escreve Bandeira de Toro, «encontrar-se-á num planalto verdejante, onde sentirá a diferença da natureza do solo, que parece conjugar a sua rústica vegetação, sob uma atmosfera sadia e alegre. Do lado esquerdo, em pleno Marão, nasce a ribeira de Cajados (1), que vai desaguar no rio Sermanha, junto à Ponte Cavalar. Esta ponte liga a freguesia de Vila Marim (2), do concelho de Mesão Frio, com as freguesias de Moura Morta e de Sedielos, ficando um ângulo entre a ribeira de Cajados (1)  e o rio Sermanha. Um braço dessa ribeira, tal como um fio cristalino de prata, vai juntar-se às virtuosas águas de S. Tiago – as chamadas Águas Santas (3) – de que se contam muitas curas milagrosas por imersão. A sua exploração todavia encontra-se actualmente paralisada, por falta de iniciativa, parecendo-nos até que não foram analisadas».

A origem da palavra "Sedeelos", através da sua forma no séc. XVIII reflecte claramente um diminutivo plural de qualquer nome comum do léxico pré-histórico português; pelo dito diminutivo e pela mesma forma arcaica, o seu étimo parece radicar na forma latina "setanellu", sendo, se assim for, um topónimo de origem vegetal. Esta pode-se referir a uma espécie de nespereira, quer a certa variedade de alho ou cebola silvestre, aí abundantes nessa remota época.

Na antiga zona comum a Sedielos e Fontes, freguesia de Santa Marta de Penaguião (Vinhós já pertenceu a Sedielos até 1933), teve haveres Egas Moniz, que os obteve de Múnio Peres, em 1136, pela quantia de 300 maravedis (muito para a época). Em 1205, D. Sancho I, povoando as terras de Penaguião, organizou um pequeno município rudimentar em que o território aforado era bastante extenso, de uma e outra parte do Rio Sermanha, embora os historiadores ainda não tenham conseguido identificar exactamente todas as terras que o compunham. Em 1933, os limites setentrionais da freguesia de Sedielos eram os atribuídos, nesta parte, ao município rudimentar Fontes-Tabuadelo-Crastelo: «dividit ... cum Tavoadel de Jusao et cum Vinios (Vinhós) et cum Ferreirea (Ferraria) e cum Ermita (Ermida)».

Como atracções, Sedielos tem a Mesa dos Mouros, uma enorme pedra furada por uma espécie de óculo, ou clarabóia, que parece penetrar perpendicularmente no solo em que repousa. Não esquecer a Igreja Matriz, construída no lugar onde existia uma casa de campo das freiras de Monchique, no Porto (4), e Aldarete, de onde se vislumbra uma paisagem de cortar a respiração. Actualmente, devido ao esforço de alguns sedielenses de garra, a freguesia dispõe de um Centro de Dia, ATL e Jardim de Infância, um campo de futebol, e tem como uma das suas glórias o Grupo Desportivo e Recreativo da Ferraria.

(1) O povo de Sedielos diz "Queijados". Qual será a forma correcta?

(2) ... e Cidadelhe, acrescentamos nós.

(3) Esta informação não é correcta, porque o braço que se junta às Águas Santas é do rio Sermanha.

(4) No Convento de Monchique, que ainda hoje se vê lá para os lados de Massarelos, Camilo Castelo Branco situa a reclusão de Teresa, uma das personagens principais do seu romance (autobiográfico?) Amor de Perdição.

_______________________________________________

A família Coutinho dá as boas vindas a todos os leitores. Apesar da dispersão, esperamos que a nossa ligação à terra mãe e aos nossos familiares e amigos seja sempre mais forte. Quando puderem, não deixem de visitar Sedielos e deliciar-se com as belas paisagens, a boa comida e os bons vinhos do nosso Douro.

 

 



publicado por MSC às 02:33
link do post | comentar | favorito
|

20 comentários:
De Anónimo a 9 de Janeiro de 2006 às 15:33
É sempre importante olhar para trás para conseguir perceber o que temos à frente. Achei este artigo bastante interessante e com informação muito importante sobre Sedielos. Fiquei a conhecer um pouco melhor a terra onde nasceu a nossa família. Ana Rita Coutinho
</a>
(mailto:anacoutinho@iol.pt)


De Anónimo a 30 de Julho de 2008 às 12:10
sou natural de sedielos mais propriamente de passos, achei bastante interessante haver alguém que dedicou um pouco de tempo a falar da nossa terra. um bem haja.


De Fernando Nogueira Dias a 22 de Janeiro de 2009 às 15:54
Caros amigos (familiares?), parabéns pela informação relativa a Sedielos. Nasci em Sedielos (Quinta de Sá de Baixo) e sou do ramo dos Coutinhos da Ferraria, com parentes também em Sedielos.


De Jorge Nogueira Dias a 5 de Março de 2009 às 20:54
Ora vivam Srs. Coutinhos , obrigado pela promoção da nossa terra, gostava de os rever pessoalmente. Talvez no vosso futuro almoço de familia.Quem sabe?
Cumprimentos para todos


De Anónimo a 24 de Setembro de 2012 às 00:48
Seria possível obter uma fotogarfia da Casa senhorial que existe na Qta de Sá de Baixo e quem foram os proprietários da referida quinta?
Solicito igualmente a informação se existe uma Quinta de Sá de Cima
Peço desculpa pelo incómodo mas estou a averiguar se essas quintas são as mesmas pertencentes a uns meus avós
Agradecido
Vasco S Coutinho


De Regina Dias a 14 de Maio de 2009 às 16:59
Olá sou da Ferraria, não faço ideia de quem sejas e a quem pertences, mas o meu pai também é Coutinho e sei que a familia é muito grande talvez ainda sejamos primos, quem sabe!? O que também não é dificil ai toda e gente é prima de primos...

Fiquei admirada e contente por ter feito uma simples pesquisa e ter encontrado a tua página aonde falas um pouco de tudo das nossas origens e da nossa gente... Eu faço questão a tempo inteiro de dar a conhecer as pessoas que me rodeiam um pouco dos nossos hábitos e customes assim como as nossas expressões (calão) que usamos com frequencia.


Regina Dias - Ferraria


De tania costa a 17 de Novembro de 2011 às 10:55
ola regina dias, o meu avo e da ferraria tenho ai familia do meu avo seu nome manuel Costa filho de francisco costa e tenho ai familiares irmaos do meu avo o meu pai alvaro costa pensa que a conhece muito bem sera possivel?


De Anónimo a 19 de Novembro de 2011 às 21:05
Olá boa noite,



Estou ao telefone com os meus pais que dizem conhecer toda a sua família muito bem, minha mãe Rosaria Guedes Costa meu pai Mário Coutinho Dias. Minha mãe foi criada com a sua avô (Mariazinha na Ferraria) que posteriormente foi viver para as Bouças.

Eu vivo em Lisboa a 20 anos, mas vou com alguma regularidade a Ferraria a minha irmã casou em Sedielos por esse motivo vou com frequência a Sedielos. Tenho com o meu pai um ritual de irmos sempre a pé que eu ADORO por varias razões uma das quais e o convívio que se proporciona com as pessoas que vamos encontrando pelo caminho.... Que de certa forma nos mantêm em contacto mesmo após estes anos de ausência!


Na Ferraria quando encontramos alguém que tenha as mesmas origens temos por hábito de dizer " é da nossa família" por esse motivo vou ter a ousadia de lhe deixar um abraço.


De Anónimo a 19 de Novembro de 2011 às 21:18
Esqueçi de mencionar o meu nome Regina Dias- Ferraria


De Lídia a 29 de Outubro de 2009 às 12:44
Olá meus queridos primos

Cá está mais um(a) Coutinho que não é Coutinho?!, por lapso da Conservatória. A minha mãe era da Ferraria (Ana Coutinho Pereira), filha de David Coutinho Dias e irmã do pai dos "ilustres" Jorge e Fernando, comentadores deste post.

Não sei se o Autor deste blog será filho dos irmãos do meu avô (David Coutinho Dias) que tinha, pelo menos, um irmão residente em Sedielos (numa casa no caminho para a Ferraria, se bem me lembro).

Cumprimentos a todos,

Lídia


De Fernando Nogueira Dias a 10 de Dezembro de 2009 às 23:34
Olá, prima Lídia. Que bom encontrar-te aqui. Um beijo do Fernando Nogueira Dias.


De DIAS TITO a 9 de Agosto de 2011 às 21:38
Não confundam família Coutinho com a família Dias


De Anónimo a 19 de Novembro de 2011 às 21:11
Olá Tito,

Que bom que é te encontrar neste mundo virtual que nos permite viajar a todo lado e conectar com a toda a gente... O que um blog sobre a nossa terra faz! Encontrar primos, familiares e amigos.

Para todos um grande, grande abraço.

Regina Dias


De Hélder Ferreira a 31 de Julho de 2010 às 12:50
Ola, a família da parte do meu pai é natural de Aldarete, os Ferreira do gado, gostaria de saber mais sobre eles, alguém me pode ajudar.
Agradecia muito...


De Anónimo a 17 de Fevereiro de 2011 às 21:51
ola sou rui coutinho dias..e o meu pai e d aldarete


De tania costa a 17 de Novembro de 2011 às 10:58
Ola rui coutinho dias sera o seu pai o sr. celerino coutinho dias? se sim somos primos xD


De Eliseu Monteiro a 9 de Fevereiro de 2012 às 19:57
Um abraço a todo o pessoal da Freguesia em especial para a gente da Ferraria.
Eliseu Monteiro


De Angela Silva a 4 de Junho de 2013 às 01:00
Eu sou Angela Neta Da D, Clarinha e do (falecido) Casimiro Pinto. gostava de pedir umfavor a quem conhecer ou tiver uma foto com a casa originas da quinta da castanheira. obrigada a dodos. gostei da ideia


De H. Maia a 13 de Junho de 2017 às 15:38
Haverá alguém a morar em Sedielos que se interesse pela história da freguesia e pela dos seus antepassados?? Muito grato ficaria por uma resposta.


De Nuno Guedes Tavares a 30 de Agosto de 2017 às 23:25
Caro Hernani, parece que não :-(

Também já tentei no facebook e vim agora parar a este blog e vi as suas palavras

Também procuro mas parece-me que este "pessoal" Coutinho e os Guedes não sabem o que se passa :-)

Um abraço

Nuno


Comentar post