Blog da família Coutinho, com origem em Sedielos - Peso da Régua, e hoje espalhada pelo mundo. Este será um meio de comunicação entre nós e os amigos. Publicaremos também alguns artigos de interesse geral, nomeadamente sobre o nosso querido Douro.
Quarta-feira, 3 de Maio de 2006
FRAGA DA ERMIDA

                 

   

«Abarcava-se de longe, mui longe, a enorme Fraga da Ermida, mastodonte de pedra, assombro do Marão, em cujas entradas as águias faziam ninho. Descoberta à distância, forçava o forasteiro a deter-se, surpreso, como se os olhos tocassem porta do fim do mundo, assim como atravessava de calafrios o serrano timorato, crente em bruxedos e malefícios, a quem a tradição ensinara que nesse pedregulho, largo como vista de mar e mais alto que mastro de navio-escola, o demo oferecia nocturnos salsifrés de infernal folia.

Quem a dominava pela primeira vez  recebia a impressão que da sua cripta ao céu não havia mais distância que altura de um braço de homem. Mais de cerca, do cemitério de Ranha, que branquejava lá do topo das arribas do ribeiro de Pisões, ou dos primeiros casebres da Ermida, continuava a dar a mesma impressão de pesadelo, mas já se abrangia com consciência e pormenorizadamente aquele monumental assombro petrificado. Corriam-lhe à vertical superfície, que se abria em face recôncava, compridas rugas, obra do vento e da chuva, a modos de gretas entranhadas como traços caprichosos e profundos. Lá no cimo, que a imaginação excitada na lonjura supunha eriçar-se de lanças ameaçadoras, começava a serra  a esconder os costados da fraga, estendendo-se até bem longe em rechã atapetada de ervas daninhas.

Quando o tempo mostrava carantonhas de temporal, das cavernas da fraga imensa saíam gritos de águias, álgidos e demorados, trespassando a névoa húmida e fazendo tremer de medo os serranos que viviam nas proximidades; e se o sol esbanjava sua fortuna de luminosidade, como agora, dos buracos numerosos no peito plúmbero do fraguedo, partiam e chegavam as aves de rapina, batendo asas em voos canseirosos na conquista do espaço.      

Como aparecesse de verdadeiro milagre, quente e luminoso, o dia de S. João, data tradicional  que os paroquianos de Sedielos marcavam para dar caça às águias, seguia pelos carreiros que ladeavam a Fraga da Ermida um povoléu de centenas de mafarricos, cantando e gritando numa volúpia quase selvagem.

A festa da morte das devoradoras de rebanhos, havia atraído, como sempre, gente dos pontos mais afastados, de muito mais longe mesmo que das incontáveis aldeias que espreitavam nos quintos das lonjuras nevoentas.

Até onde os olhos abrangiam, certamente que se não realizava festança tão acesa de entusiasmo como a que ali se consagrava às inimigas dos pastores  e dos rebanhos. Desde muito cedo, até para além do meio-dia, fora um nunca acabar de gente, a maior parte a pé, muita outra escarranchada em albardas, trepa que trepa os carreiros pedregosos, subindo para a planura onde, havia decénios, se realizava essa romaria de demência e de morte.

Milhares de criaturas, correndo todas as idades, espalhavam-se agora sobre a terra almofadada de erva, que se deixava calcar humildemente. Faziam-se e desfaziam-se  bailaricos, assim como se enchiam e esvaziavam cabaças de vinho, que o sol de Junho marchava aberto no seu peso de calor. Antes da caça principiar, festejavam-se assim, em rubros gestos de folia, a perícia dos caçadores, que passavam de escopeta ao ombro, e a força dos moços da corda e cesto, pimpões e hercúleos, que não tardariam a mostrar quanto valiam os seus braços. Estes eram os heróis do dia, que davam extensão às conversas, faziam rodopiar as raparigas, e despejavam pipos de briol, preparando embriaguez  que, dentro em pouco, seria louca trovoada de gritos e de tiros de pederneira.

Entre os poucos que se calavam contavam-se os cegos que tinham vindo para pedinchar e que, ajoelhados, de mãos estendidas, ficavam por vezes a adivinhar o céu, onde voavam as águias  que iam ser sacrificadas».

 

Nenhum outro quadro poderia melhor retratar o mais belo monumento natural da nossa região, que aquele acabado de transcrever do romance “Aldeia das Águias”, da autoria do ilustre Sedielense, Guedes de Amorim.

Mas, se antes a Fraga da Ermida era palco destas cenas novelescas, hoje é ponto de referência de segurança de navegação aérea. Ali brevemente será instalada, por decreto governamental (50/2003 de 27.10.03), uma estação de radar que terá um alcance horizontal de 460 Km  para aeronaves a voar a 9100 m de altitude.

Afirmam os técnicos que a posição do radar no actual enquadramento topográfico e as suas características radioeléctricas permitirão, ainda, a cobertura terminal do Aeroporto de Francisco Sá Carneiro, pelo que constituirá alternativa ao radar de aproximação  do aeroporto internacional que serve o Norte de Portugal.

A Fraga da Ermida, para além da sua beleza inspiradora  de romancistas e pintores, é agora também ponto estratégico da nossa segurança à escala internacional.

 

Que altivez !

  

Basileia – Suiça / Maio 2006

  

Casimiro Coutinho

 

 



publicado por MSC às 23:54
link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De aquimetem a 7 de Junho de 2006 às 23:32
Quando se vê... de longe a terra ou região onde nascemos até os nossos olhos se arregalam mais para transmitirem as imagens que provocam as emoções nas almas sedentas do odor mágico das origens.. O post em comentário é prova disso. Parabéns Casimiro Coutinho, deste transmontano de Basto e imigrado em Lisboa há mais de 40 anos. Com um abraço sou : aquimetem.blogs.sapo.pt


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2007 às 11:47
Caros amigos,

De todos quantos sois, e sois muitos, eu me tenho como amigo e o meu comentário pode, por isso, ser parcial.

Mas isso pouco importa. O que importa é que gostei imenso de ver o vosso blog, nestas terras de França.

Continuai, que é bonito.

Um abraço para todos do Carlos Fernando
carlosmonteiro@free.fr


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

NO SEIO DA MÃE SERRA

FELIZ NATAL PARA TODOS!

CÁ ESTAMOS DE NOVO

FELIZ NATAL!

EXEMPLO DE CIVISMO

INCÊNDIO EM SEDIELOS

MAIS FOTOS DA NEVE

DEBAIXO DE NEVE

"ENCONTRO FAMILIAR OS COU...

PASSEANDO PELO DOURO

arquivos

Junho 2013

Dezembro 2012

Julho 2012

Dezembro 2009

Outubro 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Agosto 2008

Maio 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Outubro 2006

Agosto 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds