Blog da família Coutinho, com origem em Sedielos - Peso da Régua, e hoje espalhada pelo mundo. Este será um meio de comunicação entre nós e os amigos. Publicaremos também alguns artigos de interesse geral, nomeadamente sobre o nosso querido Douro.
Sexta-feira, 13 de Julho de 2007
AO COMPASSO DA PÁSCOA
Embora com algum atraso em relação ao tempo a que se refere, eis um texto interessante que a Daniela quer partilhar com todos
 A celebração da Páscoa em Sedielos
                  

                 0002a279

                                          A vinha da Senra, com a Igreja lá ao fundo

 
Daniela Coutinho
IT 1º Ano 2º Semestre
Etnologia    
Docente: Raquel Moreira
Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril      

O termo “Páscoa”deriva do grego Pasca, que deriva do aramaico pasha e do hebraico pesah. É, assim, natural verificar que o nome poderá ter vários significados. A Bíblia relaciona este termo com o verbo pasah, que pode definir-se por coxear ou executar uma dança ritual à volta de um sacrifício ou, mesmo, saltar, passar, perdoar.
 É importante referir que a Páscoa é celebrada tanto por cristãos como por judeus de formas distintas. Embora a Páscoa se tenha tornado numa celebração profundamente religiosa, o mais interessante é que a vertente natural se manteve. Note-se que, desde o início da sua existência, o Homem presta a sua homenagem à Natureza, conforme as estações do ano. A Primavera e o seu equinócio marcam o início de uma fase extremamente rica e simbólica em que a fertilidade e a renovação existentes por toda a Natureza são sinais positivos que marcam o fim da estação do ano mais dura e fria e trazem de volta o sol, as cores quentes, tal como os primeiros “verdes”, os quais serão importantíssimos no Verão, tempo de colheitas.
Desta forma, a Páscoa acaba por ter duas vertentes bastante fortes: a celebração religiosa e a celebração da Primavera, do sol, da fecundidade e regeneração, da dádiva da vida e de um novo início[1].
A Páscoa que passo a analisar é um momento muito importante para a freguesia de Sedielos. No concelho do Peso da Régua, inerente a Trás os Montes, como em grande parte do interior de Portugal, o êxodo rural deixou grandes marcas e vestígios de uma outra forma de vida que actualmente só existe lá, nas aldeias abandonadas pelas gerações seguintes e povoadas hoje por uma geração que não voltará a ser renovada.
Em Sedielos, mais precisamente na localidade de Sobre-a-Fonte, encontramos um aglomerado de casas onde há 30 anos atrás existiam numerosas famílias com mais de cinco filhos. Na casa onde passarei a Páscoa existe uma família que já teve 10 membros (o pai, a mãe e os seus 8 filhos). Hoje, esta família tem muitos mais membros, embora o pai já tenha falecido. As novas gerações, das quais faço parte, nunca poderão ter a consciência nem a ideia exacta do que foi viver-se lá permanentemente. A geração dos nossos pais, por sua vez, que foram lá criados, não sentiram que tivessem ali algum futuro e como consequência de tais tempos e de tais transformações no país, partiram assim que puderam para outras cidades, para trabalhar, estudar, para procurar um futuro diferente e com mais oportunidades. A mãe ficou em Sedielos, tal como todas as outras mães e pais.
O seu nome é Leontina Coutinho, as rugas na sua cara indicam uma vida dedicada aos filhos e ao seu pedaço de terra, constantemente cultivado com dedicação. É a minha avó e traz consigo no olhar a progressiva sensação de que já não poderá proporcionar aos seus filhos a segurança de outrora, até mesmo às suas vinhas. “Pensais que ainda posso andar nisto? As minhas mãos estão num bolo, tenho de chamar alguém para me ajudar. Deus me acuda”, a sua conversa com a filha mais nova confirma este facto.
A realidade é que nestas pequenas aldeias vive-se intensamente a religião cristã, existem devoções a vários santos e identidades religiosas que são praticamente o motivo de fé desta população. Santiago é talvez o que tem mais importância em Sedielos: pode-se encontrar no topo do planalto, a capela de Santiago e um espaço envolvente construído para esta população que é também um dos locais mais visitados por população de outras localidades. Também se pode mencionar que existem outros santos como S. José, Santo António e até uma santa que ainda não foi reconhecida, a “Sãozinha”. A devoção por estes santos pode comprovar-se através de azulejos expostos nas fachadas de várias casas.

0002c5ch

Nicho de S. José, no lugar de Sobre-a-Fonte
Assim, é natural confirmar que a Páscoa é um dos momentos anuais mais celebrados e vividos com alegria.
A Páscoa, como se sabe, na religião cristã celebra-se durante 50 dias. O dia principal e o mais importante celebra-se na primeira lua cheia após o equinócio da Primavera, normalmente o dia insere-se no período entre 22 de Março e 25 de Abril.
No Norte e Centro do país pratica-se um ritual importantíssimo, já desde o século XIX: a Visita Pascal. Nesta visita, o protagonista é o pároco da localidade, que visita todas as casas da aldeia para as abençoar a trazer a boa nova. Traz consigo três sacristães, que o acompanham por todo o percurso e que carregam um crucifixo florido, o qual as famílias costumam beijar.
A origem deste hábito não é a mais precisa, mas aponta-se para o século XIX , século em que um pároco começou a visitar as famílias que tinham pessoas doentes. Este pároco benzia as casas e trazia uma palavra amiga, especialmente durante a quadra Pascal. Pensa-se que este pároco possa ter dado origem a esta visita tradicional, ritual realizado predominantemente nestas regiões.
Um dos filhos de Leontina, Manuel Coutinho, mencionou numa conversa comigo que o dia da Visita Pascal é, de facto, um dos dias mais esperados pela população de Sedielos.
Dado que a realização desta visita em todas as localidades da freguesia seria impossível apenas no domingo de Páscoa, esta visita prolonga-se por toda a semana.
Inicia-se no domingo de Páscoa, na primeira metade da freguesia, mais precisamente na localidade de Carvalho e finaliza-se no domingo seguinte, domingo de Pascoela, em Sobre-a-Fonte.
Para a população desta freguesia a ocorrência desta Visita Pascal é tão importante que acaba por ser o motivo principal da celebração. Ou seja, por todas as localidades, as pessoas defendem que a “sua” Páscoa acontece no dia em que o padre oferece a bênção às suas casas e traz consigo o “Senhor”. Portanto, consoante as localidades, ouvimos os habitantes que defendem “A minha Páscoa é na segunda-feira” ou “A minha Páscoa é no domingo de Pascoela”.
Uma das curiosidades de que tive conhecimento é que esta Visita Pascal também pode ser denominada de “Compasso”, visto que, por exemplo, na freguesia vizinha (Vinhós), mais precisamente na localidade da Ermida, a visita era acompanhada de uma tuna e, enquanto caminhavam pelas ruas, existia um ritmo específico e característico.
Outro pormenor a determinar é que, segundo a linguagem popular, esta visita é essencialmente a “visita do Senhor“, ou seja, o “Senhor”, Jesus Cristo, parte da Igreja e abençoa todas as casas da aldeia. O pároco é o que é responsável por levá-lO a todas as famílias.
A Visita Pascal foi realizada, este ano, no dia 15 de Abril e, no dia 14 à tarde parti de Lisboa com destino a Sedielos para comemorar com a minha avó, tios e primos o domingo de Pascoela que, em Sedielos é a “sua” Páscoa.
Chegámos, eu e a minha família, a Sedielos ao fim da tarde. Depois de uma longa viagem, uma refeição ao ar livre, perto das vinhas que ainda estão quase nuas, traz algum descanso. A minha avó, contente por ver grande parte dos seus filhos reunidos, começa a mostrar sinais de preocupação: “Onde ides vós dormir?”.
A minha tia, a filha mais nova que é também minha madrinha, tinha acabado de fazer o Pão de Ló , a sua filha pequena também a ajudava a fazer o bolo de ananás, sobremesa do almoço do dia seguinte.
O Pão de Ló é decorado e colocado à vista da minha avó que, continuamente, perguntava se já se tinha feito o “Bolo para o padre”.
0002dr91
Pão de ló caseiro feito na casa da D. Leontina
À noite combina-se a hora de alvorada, pois o “Senhor” chegava por volta das 11 da manhã, segundo a minha avó.
Na manhã de domingo, dia 15, às 8 da manhã já quase todos estavam a tomar o pequeno almoço. A minha avó já tinha decorado a porta e as janelas com alecrim[2], já tinha comprado o pão e andava freneticamente de um lado para o outro preocupada com o almoço e a atender telefonemas da família que lhe desejavam a ela e a todos uma Páscoa feliz.

00023zea

Entrada da casa decorada com alecrim

Depois do pequeno almoço começa-se a decorar travessas com fruta, lenha é colocada no forno e, dentro de casa, escolhe-se a toalha rendada mais bonita e “põe-se a mesa para o padre”. Por volta das 9 da manhã ouve-se lá longe três fortes foguetes e a minha avó alerta-nos “Ide-vos arranjar que o Senhor já saiu da igreja e não tarda está aí”.
Na mesa é colocado o Pão de Ló cortado às fatias. Abre-se uma caixa de bombons e colocam-se também na mesa numa taça, acompanhada de vários cálices, assim como de uma garrafa de um bom vinho do Porto.

0002bb5c

Mesa posta para a comitiva do "compasso"
Na rua sente-se um grande movimento: pessoas deslocam-se para cima e para baixo com folares, flores, garrafas de vinho e caixas com bolos. De repente ouve-se um foguete, este tinha sido mandado de uma casa do cimo da rua. A minha avó apressa-se a mandar todos para a sala e para “beijar o Senhor”.

00026rk5

Chegada do "compasso"
Antes de irmos para a sala, aproximamo-nos da porta e avistamos o padre e o seu crucifixo florido, acompanhado de sacristães a descer a rua. Tocam uma campainha que alerta a sua chegada. Um alegre “Bom dia! Boa Páscoa! Aleluia Aleluia!” ouve-se e nos olhos da minha avó nota-se uma grande alegria.

00027bkt

Crucufixo florido

O pároco benze a casa e um dos sacristães oferece o crucifixo a cada membro da família presente na sala para o beijar. Após a oração e a benção, a minha avó acompanha o padre à mesa e pede-lhe que coma e beba à sua vontade. O padre confessa que lhe apetecia era ficar ali, mas que ainda lhe esperava uma longa caminhada. Conversa-se sobre banalidades e ri-se com o apetite do padre e dos sacristães. Comenta-se as suas sapatilhas e que deve ser difícil andar tanto e durante todo o dia.

00029s80

Uma pequena pausa na caminhada
Após algumas gargalhadas o padre cumprimenta a minha avó e deseja-lhe uma Páscoa feliz. Enquanto fecha a porta, a minha avó suspira e depois, em voz alta, chama-nos “Vinde comer o bolo e beber o vinho!”[3]
Após a fatia de bolo e o cálice de Porto, as atenções viram-se para o cabrito que terá de ser cortado e assado no forno que está lá fora. As batatas que já estão no forno da cozinha começam a deixar um aroma atractivo.
Vão-se ouvindo foguetes por toda a rua. Ao longe nota-se que está a decorrer a feira e, depois de o Cabrito já estar no forno, decide-se ir passear ao seu recinto. Pelo caminho passamos pelo Cruzeiro da aldeia. Nele está representado, através de várias imagens esculpidas na sua base, a via sacra, ou seja, o percurso de Cristo até à sua morte; deitado aos pés de Cristo crucificado está, segundo o meu tio, o discípulo “amado”, que se diz ser S.João. Mais um símbolo da Páscoa e da religiosidade da aldeia.

00028r2e

Pormenor do cruzeiro de Sedielos

Ao encontrar vários conhecidos, os meus tios desejam-lhes Boa Páscoa; as senhoras mais velhas cumprimentam-nos com ternura e, com os meus tios, recordam a sua infância e os seus jogos de futebol. Ouve-se por todo o lado “O Senhor já foi a vossa casa?”.
À hora de almoço chega o meu padrinho, que também é padrinho da minha prima mais nova. Traz dois grandes embrulhos: um ovo e um livro para cada uma. Grata pela sua oferta, recordo que o meu pai me contou um dia que quando ele era criança, em Sedielos, a tradição não era apenas esperar por uma prenda do padrinho: os afilhados deviam antes ter a preocupação de procurar os seus padrinhos e pedir-lhes a benção, como sinal de respeito e também de festejo; seguidamente seria o padrinho que, tradicionalmente, oferecia ao seu afilhado um folar, típico da terra.
Torna-se evidente que a tradição é realmente algo que sofre alterações constantes. A Globalização é, geralmente, o agente responsável, evidenciando a comercialização de símbolos que não os nossos originais; exemplo disso é o ovo de chocolate, o coelho, entre outros. Embora sejam símbolos primaveris e que cá também se celebre a Primavera, as tradições vão-se alterando e muitas das raízes de determinados rituais acabam por se desvanecer no tempo.
Ao almoço come-se com satisfação o cabrito assado acompanhado com arroz tostado no forno num recipiente de barro, assim como as batatas assadas.[4]

00024r11

O cabrito da Páscoa

Por toda a casa estão flores deixadas em cima de balcões e mesas, flores colhidas do próprio terreno da minha avó, que se oferecem constantemente. A minha mãe comenta feliz “Já é a terceira flor que a Zé me oferece hoje!”. A oferta feita pela sua cunhada simboliza precisamente o que a Páscoa também representa, que é a dádiva e a celebração não só da ressurreição de Cristo, como do renascimento da vida entre a Natureza.
Quando nos sentámos à mesa, por volta das 20h, para jantar, ouvem-se novamente três estrondosos foguetes e comentam uns com os outros “O Senhor recolheu”. Rapidamente as conversas se focam novamente em assuntos do quotidiano mas, na realidade, após mais de 11 horas de caminhada e de Compasso, a Páscoa de Sedielos tinha terminado.
A preocupação era agora onde dormir e a arrumação e organização das bagagens para, no dia seguinte, se regressar a Lisboa, ao Porto, a Guimarães. As cidades em que está à nossa espera outra realidade: trabalho, filhos, escola, actividade e rotina.
Em Sedielos permanece Leontina, queixando-se das suas mãos inchadas. Depois de dar garrafões do seu vinho, batatas e couves, deixa-se ficar perto das suas vinhas e da sua cerejeira florida. “Ide com Deus”.

00025864

Cerejeira ou, como aqui se diz, "cerdeira" florida

 
Bibliografia
 
BONNARD, Pierre-Émile (1982). “Pascua” in X. Léon-Dufour, Vocabulario de Teología Bíblica­. Barcelona: Herder, 647-651
 
BRAGA, Teófilo (1885). O Povo Português nos seus costumes, crenças e tradições. Lisboa: Pub D.Quixote, vol 2
 
VASCONCELOS, José Leite de (1982). Etnografia Portuguesa. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, vol VIII
                                                                             
 

[1] Existiu mesmo a tradição que se baseia na oferta de ovos decorados e pintados à mão, normalmente às crianças. Hoje, os ovos são de chocolate e, geralmente, trazem brinquedos. Embora se tenha perdido a simplicidade e a criatividade e que este símbolo se tenha comercializado, permanece como símbolo da Primavera e da celebração da vida.
[2] O alecrim, flor da época e predominante na Páscoa, é tradicionalmente colocado nas entradas de cada casa, simbolizando principalmente a alegria primaveril e as boas vindas ao Senhor.
[3] Podemos confirmar esta tradição através da seguinte citação de Vasconcelos: “[...]Mal a campainha retiniu no adro da igreja, assombraram às portas e às janelas caras risonhas e curiosas. [...] A campainha não cessava de tilintar alegremente. Enquanto o senhor Prior embebia o hissope na caldeirinha e aspergindo a água-benta em cruz, murmurava caricioso: Boas Festas....Aleluia, Aleluia.....o sacristão oferecia o crucifixo à família ajoelhada, onde todos por sua vez, pousavam um ósculo reverente e comovido. Depois convidavam-nos a descansar um instante. E logo lhes solicitavam que provasem pelo menos um cálice de Porto ou um copinho do Verde, à escolha. Mas o senhor Prior obstinava-se numa recusa afectuosa, enquanto o sacristão apenas embolsado o folar, afilava os dedos sobre a bandeja do doce, esgotando dois copos de enfiada. Forte Calor! Exclamava no fim, para disfarçar a ousadia. Nem parece que se está em Abril!” (Vasconcelos:1982,236)
[4] Esta tradição repete-se também pela região do Minho. “No Alto Minho e arredores de Monção,em todas as famílias, mata-se um cabrito à segunda feira imediata ao domingo de Páscoa. Segue-se o Compasso, ou a visita que o pároco faz aos casais da freguesia depois da Páscoa; no Minho chama-se também o Folar, oferecendo-se ao pároco uma garrafa de vinho, um pão de ló e uma moeda de prata”. (Braga:1885,196)


publicado por MSC às 19:30
link do post | comentar | favorito
|

6 comentários:
De Higino Coutinho a 15 de Julho de 2007 às 22:54
Aqui está um trabalho digno de registo.
Nota-se trabalho de pesquisa, composição e o que é mais importante, a verificação presencial dos factos.
Para quem desde menino viveu todos estes acontecimentos, sente-se reconfortado por ter um membro da família que tão bem os sabe reconstituir.
Parabéns Daniela e um beijinho grande do tio GINO.


De Oserrano a 24 de Julho de 2007 às 15:33
Parabéns Daniela.
Fizeste uma transcrição correcta do que é a Páscoa na terra dos teus antepassados. O simbolismo que representa, para além da profissão de fé, o encontro e convívio de famílias, o retrato social da procura de melhores vidas e acabas com os prazeres de uma boa cozinha! Deixa-me dizer que, passados talvez cinquenta anos, me lembro do cabrito recheado, acompanhado de arroz de forno que fazia a tua avó, a Tia Leontina.
Bem hajas por “saíres aos teus” e que as raízes se te não escapem da memória.
Um beijo para ti


De Eliana Almeida Prado Assis a 29 de Janeiro de 2009 às 15:50
Daniela,
Aqui tão longe, no Brasil, me emocionei lendo seu texto. Que lindas tradições você guarda de sua família e desse local tão lindo de onde vieram!
E com a maestria com que descreve lugares e pessoas, nos leva junto, como se fizéssemos parte dessa belíssima paisagem.
Obrigada pelos momentos de enlevo que seu texto me proporcionou.

Saúde e felicidade para todos em Sedielos!

Eliana
São Paulo, Brasil


De Arminda Almeida a 14 de Julho de 2009 às 15:26
A Familia Coutinho está de parabéns, gostei desta página. Um bem haja a todos...



De rodrigues a 25 de Março de 2011 às 22:18
parabens por esta historia e fotos de sedielos e trigais ; muintas saudades;;;;;;;;;;;;;;;;;


De rodrigues marco a 25 de Março de 2011 às 22:22
contaste ben a nosso pascoa et nao deixamos de ter muitas saudades dessa nossa pequena aldeia cheia de historia con nossos avos ; espero que a tradicao se guarde con generacao mais nova ; parabens


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


posts recentes

NO SEIO DA MÃE SERRA

FELIZ NATAL PARA TODOS!

CÁ ESTAMOS DE NOVO

FELIZ NATAL!

EXEMPLO DE CIVISMO

INCÊNDIO EM SEDIELOS

MAIS FOTOS DA NEVE

DEBAIXO DE NEVE

"ENCONTRO FAMILIAR OS COU...

PASSEANDO PELO DOURO

arquivos

Junho 2013

Dezembro 2012

Julho 2012

Dezembro 2009

Outubro 2009

Abril 2009

Janeiro 2009

Agosto 2008

Maio 2008

Dezembro 2007

Outubro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Outubro 2006

Agosto 2006

Maio 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

tags

todas as tags

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds